Você está onde deveria estar

Nos dias de hoje todos vivemos correndo. Parecemos formigas indo e vindo do formigueiro, saindo para coletar o sustento, voltando para guardá-lo em local seguro. Não há tempo a perder, e qualquer obstáculo no caminho nos desestrutura a ponto de quase não sabermos mais onde estamos, de onde viemos e para onde vamos. Interações, só as bem rápidas, de forma que não nos distraiam do nosso objetivo. Fazer, fazer, fazer. E rápido.

Para quê mesmo?

Esse estado acelerado nunca foi o mais confortável para mim. Pelo contrário, chego a ficar sem ar só de conviver com pessoas muito aceleradas, e meu corpo logo denuncia quando eu mesma sigo um ritmo que não condiz com minha lentidão habitual. Dores no pescoço, respiração descompassada, tremores.

Dia desses me percebi correndo mais uma vez contra o relógio. Tinha um compromisso de trabalho dali a poucos minutos e estava a anos-luz de estar com tudo pronto até mesmo para sair de casa. A sequência não deve ter sido muito diferente daquela observada diariamente em diversas casas mundo afora:

apronta correndo, forja uma falsa paciência com o ritmo dos filhos, coloca tudo na bolsa, repassando mentalmente a lista de objetos necessários para o dia e torcendo não estar esquecendo nada, implora para desta vez o bebê se sentar na cadeirinha do carro sem querer brincar [ou chorar] antes, sai quase cantando pneu. E, claro, alguns metros à frente, encontra um congestionamento.

Olhei no relógio, tive um pensamento catastrófico (“vai dar tudo errado hoje, estou ferrada”), desejei conseguir me teletransportar. E então veio a lucidez. Ufa! Ouvi uma voz me dizendo, calma e pausadamente:

“Você está exatamente onde deveria estar e no momento em que deveria estar”.

Essa frase veio como um grande alicate rompendo a corrente das minhas algemas. De repente me tirou da loucura do “deveria ser” e do “deveria ter sido” e me trouxe para o que é. Me trouxe para a realidade.

A realidade, essa da qual fugimos constantemente por meio de entorpecentes dos mais variados tipos, pode ser libertadora. Digo libertadora porque nos dá um caminho, um sentido. Diante da realidade só nos resta fazer o que é necessário. Resistir só piora nossa condição, aumentando o poder do que nos incomoda. Fugir apenas adia a ação para um outro momento que pode ser ainda mais complicado. Já aceitar e agir, fazendo o que é possível e realmente demandado pela situação, são as únicas possibilidades que constituem o enfrentamento efetivo de um problema.

Naquele dia da lucidez no congestionamento mudei minha postura. Continuei dirigindo como era possível, no caminho que era viável. Respirei fundo, comecei a cantar uma música infantil para distrair e alegrar meu filho (que ainda não aprendeu a aceitar congestionamentos), enviei uma mensagem de texto para a pessoa com quem me encontraria avisando sobre o atraso e pedindo desculpas pelo transtorno. E segui. Prometendo a mim mesma que me organizaria melhor para evitar essas ocorrências no futuro, mas sem me crucificar, sem praguejar o trânsito, sem queixas.

Não se trata de ser displicente nem complacente comigo mesma. Também não se trata de colocar óculos de lentes cor-de-rosa e de repente achar que só há belezas no mundo e que minhas ações não terão consequências. Mas sim de dar às coisas o peso que elas têm, nem mais, nem menos. Meu pescoço agradece, meu filho também. E acho que a sociedade como um todo também, já que haverá menos uma pessoa estressada por aí.

Agora pare, pense e responda: Você se entrega à sua realidade?

2 comments on “Você está onde deveria estar”

  1. Essencial o seu texto, Vívian. Adorei.
    Quanto à pergunta, se eu me entrego à minha realidade? Boa pergunta. O que é a realidade? às vezes, tenho a impressão de que ela me é imposta. Mas não. Eu faço escolhas que constroem uma boa parte dessa realidade. Enfim, isto é assunto para uma longa conversa. Bjs

    • Oi, Virgínia! Boa reflexão! Perceber que escolhemos boa parte do que constitui nossa realidade ajuda no processo de aceitá-la… saudades de você! Quando a gente vai se encontrar pra ter essa longa conversa? :) bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *