pet-kitten-cat-lying

Sou uma criativa enrustida.

Talvez você também seja.

Nossa sociedade é mestre em inibir a criatividade de seus indivíduos, colocando uma série de regras sobre como fazer e não fazer o que quer que seja. Não há espaço para o diferente, fora do convencional. O que não nos dizem é que todos somos criativos, mas só alguns poucos são insensíveis o suficiente às contingências impostas e seguem pela vida agindo criativamente.

Como se não bastassem as regras e contingências impostas pela sociedade, como Freud bem soube descrever, tenho uma sociedade na minha cabeça. Que trata de criticar cada ideia criativa que tenho, mandando-as para o porão escuro das ideias ~ brilhantes ~ mas ameaçadoras do conforto psíquico e emocional.

“Não é bom”. “Não é novo”. “Não acrescenta nada”. “Ousado demais”. “Ninguém vai querer”. “Já fizeram”. “Já disseram”. Blá. Blá. Blá.

E então o que acontece é que eu vivo tendo ideias e deixando-as para depois [ou nunca mais], e frequentemente me sinto frustrada quando vejo aquela ideia bacana sendo realizada por outra pessoa. Acontece com você também?

O que venho tentando aprender, no entanto, é que não é necessário ter ideias absolutamente originais. Afinal, tudo [ou quase tudo] já foi inventado. Não preciso ficar constrangida porque o que pretendo fazer aqui já está sendo feito por outra pessoa acolá. Estamos no mesmo mundo, sujeitos a contingências muito parecidas [num nível cultural], o que acaba gerando maneiras semelhantes de estar no mundo e de solucionar os problemas com que nos deparamos. Então sim, há e vai continuar havendo pessoas que pensam como eu e que fazem aquilo que eu tinha acabado de pensar em fazer.

Preciso viver com essa realidade e, mais do que aceitá-la, compreender que isso na verdade é bom. Bom? Sim, pois me mostra que não estou sozinha no mundo com minhas ideias mirabolantes. Significa que posso ter companheiros de caminhada e que podemos criar juntos. Basta apenas que eu supere minha timidez ~ mas isso é assunto para outro post!

Mas então temos as mesmas ideias e falamos as mesmas coisas, do mesmo jeito? Não. E isso que é legal! Cada um de nós é único, tem uma história própria e significa os eventos de uma maneira particular [embora frequentemente semelhante a outros]. Cada um de nós tem sua própria voz. [Que é linda!] E é essa voz única que, quando utilizada em sua potência máxima, que torna meus projetos diferentes dos seus. É ela que permite às pessoas identificarem um texto, um evento, uma ação… como meus.

Minha proposta, para você ~ e para mim mesma ~, é permitir-se criar, soltar a própria voz e se conectar com quem fala a mesma língua. Posso apostar que os resultados serão fantásticos!

Imagem: Pexels
** Minha gratidão à Karine Drumond, Priscila Valentino, Rafa Cappai e Marie Forleo, por não se cansarem de me lembrar que sou criativa sim e que minha voz é única e deve ser ouvida!

2 comments on “Tire sua criatividade do armário”

  1. A regras impostas pela sociedade muitas das vezes nos impedem de fazer nossos vôos, dar o próximo passo, recomeçar… Somos julgados, criticados e bloqueados mentalmente por não agir conforme nossos propósitos. O sentimento de culpa, de fracasso vai surgindo. E o que você fez te agradou? Está feliz e satisfeito com o resultado? Não! Recomece. Reinvente. Escute a sua voz e siga feliz. Quebre as regras! Ouse ser e fazer como quiser. Deixe fluir…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *