Tag: escolha

Compreendendo as semelhanças e acolhendo as diferenças 

A vida em sociedade é responsável por um dos mais belos paradoxos (na minha opinião) acerca dos seres humanos. O paradoxo de que somos todos iguais e, ao mesmo tempo, somos todos diferentes.

A biologia já garante essa diferença na igualdade, uma vez que nós humanos somos todos dotados de carga genética muitíssimo parecida, o que nos permite sermos classificados todos como Homo sapiens. Ainda assim as mínimas diferenças genéticas levam a diferenças tais entre nós que chega a ser possível distinguirmo-nos uns dos outros, e até mesmo gêmeos idênticos entre si.

Aquilo que aprendemos ao longo da vida também contribui para nos diferenciarmos, embora os processos envolvidos na aprendizagem sigam leis que valem para todos. É a chamada história ontogenética, ou história de vida.

Até aí somos semelhantes não só entre humanos, mas também entre animais não-humanos, que também se comportam a partir da biologia e dos aprendizados ao longo da vida. A nossa complexidade, no entanto, aumenta quando se é inserido na vida em sociedade. (mais…)

Quais são as escolhas que te fazem viver com sentido?

Me perguntaram, dia desses, o que eu deixo de fazer para escrever. Imediatamente respondi que não deixava de fazer nada, pois nada era passível de ser deixado para lá. Desfiei mentalmente meu rosário de queixas sobre minha falta de tempo e o quanto estou exausta e tudo sobra para mim e etc, mimimi, etc, mimimi… Foi então que parei para ouvir essa pergunta verdadeiramente, sem defesas, e fui analisar meu dia. Vou te contar o que identifiquei e acabei descobrindo e vai muito além da escrita na minha vida (que talvez não seja novidade para mim nem para você, mas acendeu uma luzinha aqui).

Eu sei que deixar de assistir a filmes ou séries com meu marido é complicado, pois é o momento que temos para nós dois. Deixar de preparar nossas refeições (algo que também me toma tempo) implica comer alimentos de qualidade duvidosa e não é isso que quero para a minha família. E deixar de cuidar do meu filho não é algo possível agora, que ele é um bebê, e nem é algo condizente com o que considero ser uma boa maternagem.

Perceba que até aqui descrevi escolhas que são pautadas por valores meus, valores que orientam relações e hábitos que considero importantes e dos quais não quero abrir mão. No entanto me peguei checando as redes sociais pela milésima vez no dia, antes de colocar o cronômetro para rodar e começar a escrever (uma das estratégias de organização e produtividade que utilizo e descrevo aqui). Ou seja: estou deixando de escrever – que eu amo, é importante para mim e geral valor para outras pessoas – para checar redes sociais e acompanhar conversas que, em sua maioria, me acrescentam muito pouco! (mais…)

Você tem tido tempo para viver?

Eu faço grandes críticas ao volume excessivo de trabalho ao qual somos submetidos atualmente. A maior parte das ocupações exige dedicação de no mínimo 40 horas semanais, e tecnologias como internet de amplo acesso e smartphone sempre na mão ampliam ainda mais o alcance do trabalho sobre nossas vidas. É possível trabalhar o tempo todo se não impusermos alguns limites.

Eu amo meu trabalho. Mas eu não sou só uma trabalhadora.

Todas as vezes que permiti que o trabalho ocupasse tempo demais acabei por sentir que me faltava vida. Para mim não havia nada pior que chegar do trabalho, comer, tomar banho e dormir, pois eu sabia que no dia seguinte ia começar a trabalhar logo cedo de novo e sentia que todo o meu tempo estava sendo entregue ao meu empregador. Pensar que milhares de pessoas passam por isso todos os dias me corta o coração e me faz entender um pouco mais porque tantos se envolvem com substâncias psicoativas e comportamentos compulsivos. É a esquiva de uma vida limitada. (mais…)

O que é propósito?

field-summer-sun-meadow
Quando comecei a construir a ideia deste blog tinha um tema genérico que muito me atraía: a felicidade. O que é a felicidade? Como ela se caracteriza? É possível produzir felicidade?

À medida que fui estudando e refletindo a respeito, foi ficando mais claro para mim que ser feliz não significa estar alegre todo o tempo. Pelo contrário: momentos de tristeza, quedas, sustos, também compõem uma vida feliz. O que amarra todos esses momentos – os bons e os ruins – é algo bastante abstrato, mas importantíssimo: o valor. (mais…)