Tag: Ações

Toda forma de amor

O amor sem palavras no sorriso banguela daquele que aprende pouco a pouco que quando você diz que vai voltar você volta mesmo.

O amor na doação do seu tempo, do seu dinheiro, do seu trabalho, do seu talento, da sua atenção, da sua intenção [tudo junto ou só um deles] a alguém que se vê privado do básico para se ter alguma paz interior.

O amor puro e fraterno dito décadas depois, mas ainda atual, emocionando a quem diz, quem ouve e quem fica sabendo da história.

O amor em pelos, olhos grandes, ronronar baixinho e aconchego, dado por nada, só porque você existe. (mais…)

O que você vai fazer por si mesma amanhã?

Há alguns anos recebi no consultório uma cliente com diagnóstico de depressão. Recebo com frequência pessoas com esse diagnóstico, e adoro trabalhar com elas e vê-las desabrochar pouco a pouco e abrirem-se para a vida!

Essa cliente em questão tinha quase sessenta anos de idade, era casada, filhos adultos ainda morando em casa, dona de casa, boas condições sócio-econômicas. Era uma mulher batalhadora, companheira, dona de um senso de humor gostoso, que tornava muito agradável a tarefa de atendê-la e certamente facilitava sua convivência com os pequenos aversivos do cotidiano.

A despeito da minha pouca experiência na época, pude ver naquela mulher a quem todos diziam ~ter tudo~ e ~não ter motivo para estar deprimida~ um extremo cansaço. Cansaço da rotina de dona de casa, de esposa companheira, de mãe afetuosa e disponível – por décadas. Faltava-lhe brilho nos olhos. (mais…)

Pensar menos, agir mais

mergulhar

Há dias (meses?) venho me batendo com o incômodo de ver meu site parado. Meus projetos estão parados, e a cada momento eu dou uma explicação a mim mesma para que eles estejam parados. Bebê. Gravidez. Casamento. Muito trabalho. Pouco conhecimento. Pouco dinheiro. Indefinição. Etc. Etc. Etc.

Talvez você já tenha se sentido assim. Estagnado. Como um cachorro girando em volta do próprio rabo. Muito movimento – especialmente interno – muitos planos, mas sem sair do lugar efetivamente.

Minha mais nova justificativa é a reviravolta interna produzida pela maternidade. Nada mais faz o mesmo sentido. Não quero nada do que queria antes [será?], mas não sei o que quero. Não me lembro mais porque comecei tudo isso, não sei porque continuar. Você, inclusive, poderia me lembrar: por que o que escrevo aqui se conecta com você? Por favor [gentileza, caridade! rs] escreva nos comentários. Eu dizia isso hoje num #cafécomairmã.

Mas daí por aquelas sincronicidades maravilhosas da vida abri o email que a Marie Forleo enviou hoje, com uma entrevista com Seth Godin [obrigada, Marie!!!]. Há tempos ouço falar desse escritor e empreendedor, mas ainda não tinha entrado em contato com suas ideias. E o que ele dizia na entrevista me impactou demais, em diversos pontos. Vou compartilhar alguns, ainda sem muito refinamento pois acabei de assistir à entrevista. (mais…)

Shake, shake, shake!

Mexa-se!

Descanso, combustível e movimento. Penso que a energia pode ser gerada a partir desse tripé. Se a cada dia nos dispusermos a descansar o suficiente, nos alimentarmos bem (e sem excessos) e nos movimentarmos um pouco, teremos disposição para encarar os desafios e desfrutar das delícias que nos são apresentadas.

Por muito tempo fui uma pessoa sedentária, que não fazia nenhum tipo de atividade física. Não por acaso, vivia cansada e com sono, sem forças para fazer nada além de abrir um pacote de biscoitos recheados e assistir à sessão da tarde na tv. O que eu percebia, em mim e em outras pessoas que fui conhecendo ao longo da vida, é que quanto mais parada eu ficava, mais parada eu queria estar. Você já sentiu isso? Por um tempo é bom, confortável, mas à medida que o tempo passa parece que estamos nos afundando numa areia movediça, que suga nossas forças e nos faz acreditar que não há alternativa senão sucumbir à inércia. (mais…)

Como agir de acordo com meus valores?

be present-esteja presente-valores-ação valorizada

Para escrever este post me sentei num ambiente onde possivelmente eu seria distraída pela conversa das pessoas que estavam aqui. Quando isso acontece eu costumo colocar fones de ouvido e ligar alguma música que vá me permitir desligar-me do lado de fora e dar vazão aos meus pensamentos e ideias. É ótimo para manter minha concentração!

Escolhi para tocar um mantra que gosto muito por sua melodia suave e que toca meu coração de maneira muito especial.**

Mas por que estou falando sobre um mantra quando o tema deste post é ~como agir de acordo com meus valores~? Porque me ocorreu procurar o significado desse mantra, e descobri que é um “mantra para estar presente”. Estar presente é condição para descobrir os próprios valores e, consequentemente, para agir de acordo com esses valores. (mais…)

Como sair do estado de dormência?

dormência

Eu acredito que é possível aprender sobre si mesmo todos os dias, nas mais diversas situações. Basta estar atento a eventos que apresentam a mesma função de determinadas questões que nos acometem intimamente. Por isso costumo chamar esses eventos de metáforas.

Uma metáfora tem gritado em meus ouvidos desde o dia de ontem: SAIA DESTE LUGAR!

(mais…)

Gente é pra brilhar

Gente é pra brilhar!

Você vem buscando seu lugar no mundo, compreender quem é você, no que você acredita, que valores te representam, que ações te valorizam. Esse movimento é tão intenso que pouco a pouco você vai encontrando sua turma, aquela de pessoas que compartilham desses valores, dos sonhos, e até dos modos de estar no mundo.

Está tudo muito bem, pois finalmente você se percebe fazendo parte de uma galera, de um movimento. Logo você, sempre tão à parte desse mundo louco, ora tentando se modificar para caber nele, ora se isolando no seu [infinito particular] para buscar alguma autocompreensão.

E o que parecia o paraíso {pessoas tão parecidas!} se torna o inferno.

(mais…)

É possível agradar a todos?

Se você é como a maioria dos seres humanos, a opinião das pessoas a seu respeito é importante. É importante para mim. Somos seres sociais, o contato com o outro é importante para a nossa sobrevivência e mesmo para a nossa felicidade. É impossível passar pela vida sem que o comportamento dos outros nos afete, desde os cuidados básicos até as meras relações de troca de serviços e bens materiais.

(mais…)

Você já pensou na morte hoje?

Calma. Não precisa fechar a página.

Se você é como a maioria dos seres humanos, sabe que a morte é um fato e uma certeza, mas evita falar ou mesmo pensar a respeito. Essa evitação é compreensível: viver a morte de alguém querido dói muito, e perceber-se mortal, também. Daí não querermos manter o assunto morte em nossas conversas ou pensamentos.

Por outro lado, para algumas pessoas a morte é uma alternativa aos sofrimentos da vida. Para essas pessoas a ideia de morrer ronda como um canto de sereia, prometendo o fim de uma dor que parece impossível de ser vencida. (Imagino quanto sofrimento uma pessoa deve vivenciar para chegar a pensar em não viver mais. Respeito isso e digo, categoricamente, que viver pode valer a pena e que as dores podem, sim, ser vencidas.)

Mas por que um blog que tem como tema central a felicidade e que propõe reflexões para que cada um viva com sentido abordaria a morte em um de seus posts? (mais…)

O delicado equilíbrio entre o esforço e o conforto

#186873904 / gettyimages.com

Eu acredito que o processo de crescimento pessoal deva envolver um delicado equilíbrio entre o esforço e o conforto.

Entendo que para crescer (em qualquer aspecto) devemos nos esforçar para agir de maneira diferente da que estamos habituados. Fazer mais, ou mais forte, ou por mais tempo, ou numa nova situação, ou utilizando um recurso diferente. É como diz aquela frase cuja autoria eu não sei (atribuem a tanta gente), mas que é bem lógica:

“se você quer resultados diferentes, precisa ter ações diferentes”.

A zona de conforto é esse lugar onde sabemos o que fazer e como, onde nos sentimos confortáveis pelo pouco esforço que despendemos, mas que também não nos acrescenta muita coisa em termos de desenvolvimento. (mais…)