Há alguns anos eu venho buscando me organizar melhor, desde manter meus objetos em ordem até minhas atividades e meu tempo. Tudo isso para que eu tenha condições de desfrutar dos meus períodos de descanso, evitar estresses desnecessários e fazer acontecer mais daquilo que é importante na minha vida. Tem sido uma longa caminhada, cheia de obstáculos e curvas sinuosas, mas sinto que tenho avançado.

Quando se trata de organização pessoal, muitas estratégias são sugeridas, e chega a ser difícil saber quais são melhores ou mais efetivas. Selecionei então as estratégias que melhor funcionam (ou funcionaram em algum momento) para mim e compartilho com você.

My Plan

1 – Concentrar informações. Ter um só lugar para registrar as ideias, ou lugares determinados para guardar objetos economiza muito tempo {e saúde emocional} no momento em que precisa resgatar essas ideias ou objetos. Manter as chaves do carro sempre no mesmo lugar, as canetas sempre no mesmo cantinho, a bolsa guardada sempre no mesmo armário. As ideias para o negócio num mesmo caderno (e não em caderno + post it + arquivo no PC), as contas a pagar na mesma caixa ou pasta…

2 – Tirar da cabeça. À medida que chegam novas ideias, novas demandas ou você se lembra de algo que precisa ou gostaria de fazer, registre isso num único lugar. David Allen (criador do método GTD – Getting Things Done)  chama esse lugar de “caixa de entrada”. Especialmente se você estiver ocupada com uma tarefa, registre o que surgiu para que  a ideia não se perca e para que não fique te distraindo enquanto tenta fazer outra coisa.

3 – Planejar. Planeje seu dia antes que a avalanche de demandas te atinja, sabendo que não é possível fazer tudo. Então escolha até 3 tarefas para se concentrar no dia. Com certeza, no restante do tempo você vai lidar com as novas demandas ou, se não houver {aleluia!}, pode se dedicar a outros projetos que não eram prioridades.

4 – Focar por um tempo limitado. Para algumas pessoas {eu inclusive} pensar que vai ter que realizar alguma tarefa até que ela esteja terminada, não importando o tempo que leve, é um convite à procrastinação e à distração. Por isso, estabelecer intervalos de tempo de dedicação a alguma tarefa pode funcionar bem. Estudos sugerem que 25 minutos é um intervalo razoável, em que é possível se estar atenta, focada, e resistir melhor às distrações. É incrível o tanto que se pode produzir tendo 25 minutos de atenção ininterrupta numa tarefa!

5 – Ação imediata. No momento de lidar com o que está em sua caixa de entrada, aquilo que vai te tomar até 2 minutos deve ser feito imediatamente. Por exemplo: enviar uma mensagem de texto a fulano cobrando o retorno de uma demanda. Guardar sapatos no armário. Arrumar a cama. Etc, etc…. O efeito de ver as coisas se resolverem é animador!

6 – Delegar. Nem tudo precisa ser feito por você! Delegue as atividades que outras pessoas podem realizar e vá fazer o que é mais importante, sem ficar preocupado se está sendo feito ou não. Estabeleça uma periodicidade para cobrar um retorno da atividade e pronto! Sim, eu sei que não é fácil {pessoa centralizadora falando!}, mas é libertador, acredite!

7 – Dividir projetos em ações menores. Assim você não desanima nem se desespera ao ver o ~monstro~ que é ter que fazer aquilo tudo. Vale desde “escrever a dissertação” até “faxinar a casa” e “organizar o casamento”. No passo a passo tudo pode ser realizado!

8 – Destralhar. Por experiência própria, posso dizer que guardar objetos porque “pode ser que um dia eu precise” é um belo caminho para a ~desorganização pessoal~. Guardar objetos em seus devidos lugares, jogar fora ou doar {periodicamente, e não “um dia talvez”} o que não te serve mais e não tem valor afetivo vai trazer ordem para a sua vida, e aquela “limpeza” necessária para que suas ideias e sua criatividade fluam.

9 – Estabelecer uma rotina. Quando se tem uma rotina de organização pessoal é menos provável que as coisas se acumulem e te atrapalhem. A rotina te dá parâmetros, sinaliza para seu corpo e para sua mente que é momento de responder de determinada maneira. Te torna então mais pronta para responder às demandas de cada momento.

10 – Fazer revisões periódicas. Rever seu planejamento e avaliar o que está funcionando, o que não está funcionando, estabelecendo novas estratégias para que suas ações diárias estejam sempre alinhadas com seus valores.

Não se esqueça: a organização pessoal não é um fim em si mesmo! Mas é, sim, um caminho que te leva mais próximo ao seu propósito, ao que te dá sentido. Investir em aprender organização pessoal é investir em você mesma.

Imagem: Pexels

Psiu: Quer aprender a se organizar melhor sem perder de vista quem você é e o que você busca da vida? Participe do Workshop Organização Pessoal com Propósito. Me conte sobre seu interesse no email vivian.marchezini@vivacomsentido.com.br . Assim que eu abrir as inscrições te aviso! Assinante do Viva com Sentido tem vantagens! Se não é assinante ainda, assine! ;)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *