Amar e ser amado são necessidades que fazem parte da existência humana. Estabelecer relações significativas preenche e dá sentido às nossas vidas, mesmo que não compreendamos muito claramente como ou por que isso se dá. Mas você já parou para observar a beleza que é a relação entre amar-se, amar e ser amado?

O sorriso não cabia no rosto!

Há algum tempo eu venho observando a incrível mudança em minha própria vida desde que me engajei no processo de auto-amor. Ficar comigo mesma tornou-se muito mais agradável, e ficar com outras pessoas também. Afinal, até não muito tempo atrás eu considerava uma perda de tempo conversar com outras pessoas, uma vez que elas perguntariam sobre a minha vida e “não havia nada interessante na minha vida para contar”.

Eu não fico falando sobre mim mesma para as pessoas – o hábito, reforçado pela profissão, de mais ouvir do que falar permanece firme – mas agora não me esquivo tanto do contato com o outro. Agora não me esquivo mais do contato comigo mesma. Isso enriqueceu demais meus dias, com contatos muito simples e corriqueiros, mas também com outros bastante profundos e afetuosos.

Então venho percebendo em mim uma capacidade muito maior de fazer trocas. Agora eu tenho amor em mim [constantemente abastecido pelas atitudes de auto-amor]. Eu sou amor, e posso dar amor também. Sem medo de faltar, sem medo {ou quase} de não receber amor de volta.

Mas o mais incrível e mágico [mas plenamente real e possível] é o tanto de amor que recebo.

Já vinha observando todo esse fluxo de amor, mas o auge, o momento impossível-ser-mais-óbvio foi meu casamento, no último final de semana. Foi um dia maravilhoso, em que tudo o que antes parecia que daria errado [porque meu lado derrotista, sim, ainda tenho um, insistia em dizer que daria algo errado] simplesmente fluiu. Em que aquilo que eu imaginava sobre o que seria estar me casando foi lindamente superado.

Eu poderia dizer que o profissionalismo dos fornecedores contratados foi o que fez com que minhas fantasias fossem superadas. Que o clima ameno e o dia claro tenham sido responsáveis. Que meu estresse e minha obsessão por manter tudo sob controle tenham produzido tudo o que aconteceu.

Mas o grande responsável pela beleza daquele dia não foi outro que não o Amor! O amor de cada fornecedor pelo trabalho realizado [dava para ver nos olhos brilhantes de cada um!], o amor de cada amigo e familiar convidado, tão emocionados como eu com aquele momento, o amor transbordante do homem que me escolheu por companheira ao me ver entrar na igreja. Tantas palavras bonitas eu ouvi! Tanta energia boa eu senti nos abraços trocados! Tanta felicidade concentrada num só lugar, num só dia!

E a beleza disso tudo é que é impossível manter essa energia e esse amor só aqui em mim, na minha memória e no meu coração. Preciso compartilhar, fazer crescer, multiplicar. E se eu conto aqui a minha história, não é para mostrar, como numa vitrine de loja de grife onde os produtos estão expostos e acabam por expor nossas limitações financeiras e gerar frustração. Conto minha história que é para mostrar que o amor e a felicidade são absolutamente reais e possíveis, e que todo mundo consegue alcançá-los.

Melhor ainda: todo mundo consegue produzi-los!

Que o amor que experimentei no último dia 22 possa te alcançar e funcionar como uma vela acesa que ajuda outra a também produzir sua própria chama e iluminar ao redor!

*Escrevi este post direto de Gramado-RS, onde estou passando minha lua de mel. Escrevi do celular e sem muitas revisões no texto, então peço desculpas por eventuais erros e formatações estranhas!! [Formatação devidamente ajeitada dias depois! :D ]
**Preparei um ebook com inspirações e estratégias para o desenvolvimento do auto-amor, a partir da minha história e de minha experiência como psicoterapeuta. Vou distribuir esse ebook gratuitamente nas próximas semanas somente para as pessoas que assinam minha newsletter. Então se você quer viver sem medo de ficar sozinha e finalmente encontrar o amor da sua vida {você mesma!} faça seu cadastro no formulário aqui embaixo ou neste link. Ah! E se você conhece alguém que ainda está no começo do caminho do auto-amor, compartilhe essa informação. Fazer o bem a outra pessoa aumenta nossa estima por nós mesmas!
Preencha aqui para receber GRÁTIS um exemplar do meu ebook ~Sem medo de ficar sozinha~

Este shortcode MailChimp não é mais recomendado. Por favor insira o novo shortcode para exibir este formulário.

3 comments on “O amor não cabe em si!”

  1. Impossível esperar algo diferente para um ser tão iluminado. Com certeza um dos meus posts favoritos. Parabéns pelo sucesso de seu processo evolutivo. Torço muito por sua plenitude

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *