Estava mais cedo com o editor aberto, disposta a aproveitar uns minutinhos de intervalo entre um compromisso e outro para cumprir meu propósito de publicar um post por semana no blog. Consistência é mais importante que quantidade, dizem os experts em publicações e tráfego de internet. Concordo, e fico muito frustrada quando não consigo cumprir a agenda de publicações.

Você também se frustra quando não consegue cumprir seus planos? Acho que isso dá um outro post, né?

Enfim, estava aqui pensando sobre o que gostaria de discutir com você esta semana, o que seria relevante e que fugiria um pouco do clichê de comentar sobre o início da primavera (23 de setembro) e sobre o florescer de nós mesmos de tempos em tempos.

E então me vi amarrada em meio a muitas exigências, a expectativas, a supostas previsões sobre o que você, meu leitor, gostaria de ler esta semana. Quase desisti de escrever – meu tempo estava acabando, logo a reunião começaria e tinha outras pendências de que também precisaria dar conta ainda hoje.

E foi quando ouvi uma voz – a minha própria voz – dizendo: “busque o simples”.

É isso! Busque o simples, não complique para além do que a própria situação já demanda, era o que minha voz dizia. Quantas vezes nos perdemos em meio a detalhes, exigências absolutamente dispensáveis que nos dificultam a caminhada e o crescimento! Consigo observar esse padrão se repetindo na maneira como me relaciono com o trabalho, com as tarefas de manutenção e cuidado com a casa, com meu próprio corpo, com as relações afetivas.

Então te faço uma provocação: pare um pouquinho e se avalie. Você “cria” detalhes para as atividades com as quais se envolve? Você percebe que muitas vezes poderia ter feito menos, se preocupado menos, se exigido menos? O que você pode tornar um pouco mais simples hoje?

2 comments on “Exigências dispensáveis”

  1. hehehe! Estou rindo aqui dos meus detalhes e exigências dispensáveis. Uma das minhas metas, para este ano, é cultivar mais a relação com amigos. E a verdade é que a meta fica pela metade, vai aos trancos e barrancos, também por causa dos outros objetivos do período: cultivar as relações com a família, aprender melhor inglês, dedicar mais à meditação etc.

    Talvez eu seja muito auto-exigente, não sei. Às vezes, fico preocupada porque não telefono, não encontro com amigos. Um horror! Talvez a simplicidade resolva… ler e comentar no post da amiga, já pode ser um pontinho para o cultivo das amizades.

    Abraço.

    • Oi, Virgínia!
      Seu pontinho tá garantido! :)
      Brincadeiras à parte, te entendo bem! E sinto que no meio de tantas exigências (tantas delas dispensáveis), sobram pendências pra todo canto… Vamos tentando simplificar, né, fazendo aquilo que é possível, de maneira simples.
      Um beijo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *